Outras Palavras

Ícone

Blog da Redação & Oficina de Pautas

EUA: a operação militar secreta do general Petraeus

O general David Patraeus, chefe do Comando Central dos Exército dos Estados Unidos, teria desencadeado, em setembro passado, uma vasta operação secreta de guerra, com desdobramentos no Oriente Médio, Ásia Central e Chifre da África. A diretiva (“Joint Unconventional Warfare Task Force Execute Order”) que lançou a operação foi revelada nesta terça-feira (25/5)  pelo New York Times e é analisada num post de Robert Dreyfuss, em seu blog no site do semanário The Nation.

As operações visam, essencialmente, de espionagem e estabelecimento de laços militares com outras forças militares da região. Incluiriam o início de observações no Irã, visando possíveis bombardeios. Não se sabe até que ponto o presidente Obama foi informado. A iniciativa pode provocar um enorme aprofundamento da presença militar dos EUA nas regiões visadas, considera Dreyfuss. Além disso, extrapolam em muito as atribuições naturais de Petraeus. Por isso, propõe o artigo, Obama tem a obrigação de demitir o comandante.

Anúncios

Arquivado em:Sem categoria

As duas críticas à vida sintética

Além de provocar euforia, entre os que o desenvolvimento da ciência é sempre um sinal de avanço, o anúncio da criação da primeira célula a partir de DNA fabricado pelo homem gerou dois tipos de crítica. Conhecê-las será muito importante para o debate futuro sobre o tema.

De um lado, cientistas como a uruguaia Silvia Ribeiro, da Ong ETC, adotam a postura conhecida como precaucionista. Preocupam-se, em especial em evitar que as novas tecnologias sejam aplicadas até que comprove serem inofensivas à natureza. É uma posição semelhante à adotada diante dos transgênicos.

Outros analistas — como o britânico John Sulston, Nobel de Medicina em 2002 — preferem saudar as possibilidades abertas pela nova técnica, e colocar foco no não-patenteamento dos seres criados artificialmente. A eventual criação estável de seres vivos pela humanidade terá imenso impacto na própria vida de nossa espécie e planeta, sugere o argumento. É preciso assegurar, portanto, que as descobertas não sejam apropriadas por um pequeno grupo de empresas.

Veja, em nosso dossiê, material sobre os dois pontos de vista. Inclusive, o surpreendente editorial de The Economist, que defende, contra as ameaças possivelmente representadas pela vida artificial, a abertura das tecnologias — citando como exemplo o sucesso, contra vírus de computador, do trabalho colaborativo das comunidades de software livre.

Arquivado em:Sem categoria

A Europa contra os genéricos

O Tribunal Permanente dos Povos (TPP), um fórum da sociedade civil, condenou no início de maio a União Europeia (UE), por reter recorrentemente cargas de medicamentos genéricos destinados a países da África. As retenções são parte das políticas ultra-conservadoras da UE em defesa de velhas políticas de defesa da “propriedade intelectual”. Os remédios são genéricos, em muitos casos drogas anti-Aids. São legais no país de origem (a Índia) e nos de destino. Mas diversos portos e aeroportos europeus, por onde transitam, os confiscam, a pedido de empresas farmacêuticas transnacionais.

A sessão do TPP que condenou a UE ocorreu em Madri, entre 12 e 14 de maio, em paralelo à cúpula dos chefes de Estado da Europa e América Latina. A denúncia contra o confisco de medicamentos foi feita, entre outras entidades, pela ABIA — Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS. Mais informações em nosso dossiê e na sentença do tribunal.

Arquivado em:Sem categoria

Para ler na quarta-feira

> Leonardo Boff e a nova diplomacia de Lula
Empolgado com a iniciativa do Brasil junto ao Irã, Boff afirma: “O paradigma novo, representado por Lula, assume a singularidade do atual momento histórico. Mudou nossa percepção de fundo: somos todos interdependentes, habitando juntos na mesma Casa Comum, a Terra”.

> Moniz Bandeira vê EUA paralisados
Para o historiador brasileiro, entrevistado pelo site Onda Digital, as dificuldades de Washington em relação ao Irã expressam um problema mais profundo: “os EUA têm tropas em todas as regiões do mundo, mas suas Forças Armadas estão esgotadas e enfrentam dificuldades para recrutamento de soldados”.

> Folha: o futuro dos jornais é este?
Alex Primo analisa em profundidade, em seu excelente blog sobre mídias, o “novo” jornal. Sua conclusão: “A Folha ontem apresentou apenas mais uma reforma. Fez mais que obrigação. Agora, se ela acha que isso é o jornal do futuro, realmente os jornais impressos não tem salvação”.

> O Congo também é aqui
Cada vez mais ausentes nos jornais tradicionais, reportagem e jornalismo literário são as especialidade de Síndia Santos. No link, um retrato de como vivem os imigrantes congoleses no Rio.

Arquivado em:Sem categoria

Que projeto para as Olimpíadas?

Lançada na última semana, uma carta aberta assinada por associações de moradores, entidades profissionais, estudantis, sindicatos e ongs fluminenses está propondo abrir um debate crucial: que projeto têm o Estado (a sociedade brasileira) para sediar as Olimpíadas de 2016 — e a Copa do Mundo de 2014?

A escolha do Brasil como palco dos dois eventos foi um acontecimento marcante e benvindo. O país receberá milhares de visitantes estrangeiros e será acompanhado, sem exagero, por bilhões. Mas que imagem transmitirá ao mundo?

Entidades como a Fifa e os Comitês Olímpicos fazem, aos países que recepcionam grandes competições, um amplo elenco de exigências. Parte delas tem a ver com a mobilidade e segurança dos assistentes estrangeiros. Mas a mercantilização crescente do esporte exerce um outro tipo de pressão. Busca-se maquiar as cidades-sedes de jogos: homogenizando-as, descaracterizando-as culturalmente, transformando-as em símbolos insípidos de “modernidade” e “eficiência”. O Rio viveu as consequências nos Jogos Panamericanos de 2007. Áreas “nobres” da cidade foram “embelezadas” artificialmente. A população das favelas foi mantida distante do centro e da Zona Sul, numa operação que mobiizou o próprio exército.

O documento das entidades fluminenses sugere que o Brasil é grande demais para aceitar este tipo de falsificação. O Estado investirá imensas somas na preparação das maiores metrópoles para os jogos de 2014 e 2016. Mas falta um debate sobre o sentido destas obras. Os mesmos recursos empregados para abrir uma grande avenida permitem construir ou ampliar uma linha de trem ou metrô. As vilas olímpicas que abrigam os atletas podem, depois dos jogos, tanto alimentar a fogueira da especulação imobiliária quanto abrigar a população sem-teto. O conjunto das obras produz segregação ou redução das desigualdades.

Uma das vantagens do documento fluminense é ir além da denúncia. Ele esboça um primeiro conjunto de propostas, relacionadas principalmente a habitação e mobilidade urbana. O elenco precisa, é claro, ser melhorado, mas a iniciativa abre, entre a sociedade, um debate que de outra forma ficaria restrito à tecnocracia.

Pauta:

> Uma reportagem abrangente sobre o estado dos preparativos para a Copa do Mundo e Olimpíadas. Dados gerais. Somas envolvidas. Tipos principais de instalações e serviços previstos (avenidas? transporte público? estádios? vilas olímpicas? segurança?). Quem banca as obras (Estado? Iniciativa privada? Em que proporções?). Alguns exemplos de intervenções urbanas previstas em metrópoles brasileiras. De que forma se fará o debate sobre o que construir: o papel das instituições brasileiras e da FIFA-COI; os espaços para intervenção da sociedade civil. E, principalmente, como os movimentos cidadãos estão se mobilizando para intervir no debate

Fontes:

> Ministério do Esporte (www.esporte.gov.br), onde há subsites específicos para a Copa e Olimpíadas. O ministro, Orlando Silva, foi presidente da UNE e é de acesso relativamente fácil.
> O Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Construtiva (Sinaenco) desenvolve campanha pelo planejamento das intervenções nas metrópoles. Criou inclusive um subsite específico sobre a Copa. Detalhe curioso: o site terá de trocar de nome, nas próximas semanas, porque a FIFA exigiu controle de um enorme elenco de domínios internet que incluem a palavra “copa”.
> As entidades que assinam a carta aberta são fontes indispensáveis. Como são muitas, é preciso descobrir quais articulam a iniciativa.

Dossiê:
> Um dossiê colaborativo, para reunir material sobre o tema, está aberto aqui. Contém, por enquanto, apenas a carta das entidades. Para contribuir, escreva para antonio@outraspalavras.net

Arquivado em:Sem categoria

Metrô-SP: inauguração e mistério na Linha Amarela

A mídia saúda com foguetório, hoje, a inauguração do primeiro trecho da Linha Amarela do metrô de São Paulo. Pencas de parágrafos são dedicadas a suas características de alta tecnologia — entre elas, os trens sem condutor.

A obra é, de fato, importantíssima; e a expansão do transporte coletivo sobre trilhos, em São Paulo, real. Mas algo intriga, na cobertura: a virtual ausência de investigação sobre o importante atraso na obra — e, principalmente, as causas que o provocaram.

O cronograma divulgado com alarde pelo governo do Estado, no final do ano passado previa que o primeiro trecho (entre as estações Paulista e Faria Lima) seria aberto ao público em 31 de março. Até o final do ano, estariam entregues mais quatro estações-chaves — as que fazem a interligação entre a linha Amarela e todas as demais do metrô. Estavam incluídas Luz (acesso à linha Azul e aos trens da CPTM), República (acesso à linha Vermelha), Pinheiros (CPTM) e Butantã. As demais estações ficariam para 2012.

Tudo atrasou. Dois meses, no caso de Paulista e Faria Lima (que começam a funcionar hoje em horário reduzido). Cerca de um ano, para Luz, República, Pinheiros e Butantã (há informações contraditórias sobre a data de inauguração). Dois anos, para as demais (cuja entrada em operação está agora prevista para 2014.

Fosse outro o partido no governo em São Paulo, e a mídia faria um enorme escândalo. Porém, o mais grave é ausência de informações sobre os motivos de tantos atrasos. A linha Amarela tornou-se conhecida por um desmoronamento no canteiro de obras da estação Pinheiros, que provocou (em 2007) sete mortos e o surgimento de uma cratera com 80 metros de diâmetro. Ao contrário das demais, será operada por um consórcio de construtoras privadas — que têm autonomia praticamente plena, nos trabalhos de construção. Nos últimos anos, diversas críticas sugeriram que tal modelo favorece o relaxamento das normas de segurança, em favor de economia financeira.

Pauta:

Um bom trabalho jornalístico sobre o caso consistiria simplesmente em fazer a investigação o que a mídia tradicional se recusa — certamente por temer os reflexos eleitorais da apuração. Qual é a verdadeira causa do atraso? Por que o cronograma foi alterado bruscamente (ainda no início do ano, publicidade em todas as estações do metrô mantinha os prazos anteriores)? Quais os eventuais riscos envolvidos? Qual o novo cronograma para a Linha Amarela e os demais projetos de expansão do metrô de São Paulo.

Fontes:

> A fonte óbvia é a Companhia do Metrô: http://www.metro.sp.gov.br
> O Sindicato dos Metroviários teve, no passado, atuação importante no acompanhamento dos serviços prestados à população: http://www.metroviarios-sp.org.br

> O Sindicato dos Engenheiros também ensaia alguns passos nesse rumo: http://www.metroviarios-sp.org.br. A coordenadora do setor de Imprensa, Rita Casaro, é grande apoiadora da mídia livre: (11) 3129.8692
> A Associação Nacional dos Transportes Públicos é uma defensora histórica do metrô e trens: http://www.antp.org.br

Dossiê
:
> Um primeiro dossiê de apuração sobre o tema está aqui. Reúne material do Estadão de hoje (exemplo de cobertura acritica), nota do Sindicato dos Engenheiros e excelente verbete da Wikipedia sobre a linha Amarela.
> Para colaborar com o dossiê (incluindo material), escreva para antonio@outraspalavras.net

Arquivado em:Sem categoria

Para ler na terça-feira

>”O Irã que eu conheci

A brasileira Sonia Bonzi, antiga colaboradora da revista NovaE, relata, sem preconceitos, sua experiência como moradora em Teerã, e viajante pelo país. Ela conta como sua visão inicial, construída a partir dos relatos da mídia, cedeu rapidamente ao desejo de conhecer o outro.

Arquivado em:Sem categoria

Páginas

Agenda

maio 2010
S T Q Q S S D
« jun    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

RSS Internet

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS Conferência Nacional de Comunicação

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS Conferência Nacional de Cultura

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS Redes de Pontos

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS Pontos de Cultura

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS Pontos de Mídia Livre

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS Pontões

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.