Outras Palavras

Ícone

Blog da Redação & Oficina de Pautas

Como Pequim inspira o PC

Hipótese acalentada por alguns, no partido: manter o controle do poder, e estimular um setor capitalista

(continuação da postagem anterior)

Embora permaneça, a hipótese de desestabilização vinda de Washington está visivelmente enfraquecida. Iraque e Afeganistão expõem, todos os dias, os limites do poder militar, diplomático e de inteligência dos Estados Unidos. As primárias para as eleições à Presidência revelam o esgotamento, ao menos momentâneo, da postura arrogante e agressiva que marcou o governo Bush. O declínio do dólar e os sinais de fragilidade financeira norte-americana embaçam o brilho das luzes capitalistas que cintilam desde Miami.

Do ponto de vista do regime, a manutenção do centralismo burocrático está perdendo terreno. Stefanoni aponta elementos muito concretos de construção de uma alternativa “à chinesa”. Nesta hipótese, o PC procuraria manter o poder político, mas estimularia o surgimento de um setor capitalista privado, e mesmo a entrada mais intensa de investidores estrangeiros, procurando uma aliança com ambos. Os sinais apontando para isso são: o conhecido aumento da desigualdade (o sistema de duas moedas, que garante enormes privilégios a quem tem acesso a divisas estrangeiras parece eternizar-se; e a emergência de uma elite de administradores com visão empresarial clássica. Muitas vezes ligados às Forças Armadas, eles têm sido crescentemente encarregados encarregados de setores-chaves da economia (turismo, tabaco, açúcar, comércio externo, telecomunicações). Formados muitas vezes em escolas européias, seu modelo de gestão já não é o do velho socialismo (garantia de emprego, salários relativamente nivelados, obediência ao plano estatal), mas a busca de resultados e expansão.

(continua na postagem a seguir)

Anúncios

Arquivado em:"socialismo real", América Latina, Cuba, Fidel Castro, , , ,

A opção da autonomia

Há quem prefira uma alternativa latino-americana. E Cuba já viveu até uma “revolução dos e-mails”

(continuação da postagem anterior)

Depois de quarenta anos de revolução, Cuba estaria, então, condenada a escolher entre o capitalismo de mercado e o do partido? Stefanoni acredita que não. Ele enxerga um terceiro elemento: o entusiasmo com os governos de esquerda da América Latina e os primeiros sinais de que a sociedade começa a pensar (e agir) politicamente sem esperar pelo PC.

Exemplo clássico dessa busca de autonomia é a revolução dos emails, que se deu em janeiro de 2007. Diante da aparição prestigiada, na TV oficial, de dirigentes políticos responsáveis pela perseguição aos homossexuais e pela imposição do realismo socialista, no início dos anos 1970, desencadeou-se uma chuva de críticas. Foram iniciadas por intelectuais conhecidos pela defesa da revolução e, rapidamente, tomaram conta da internet. A iniciativa resultou na demissão do secretário-geral da União de Escritores e Artistas (Uneac) e na convocação de um congresso da entidade, que vinha sendo seguidamente adiado.

Ouvida por Stefanoni, a física e escritora cubana Célia Hart — uma espécie de dissidente tolerada — ironiza a possível opção “chinesa”: “Os índices de mortalidade infantil em Cuba bloqueada são mais baixos que na China. O modelo chinês baseia-se na super-exploração do trabalho. O grande papel de experiências inovadoras, como a venezuelana ou a boliviana, é mostrar que há outros caminhos, com participação popular”, diz ela. Não é, certamente, uma opinião majoritária. Mas as dúvidas sobre o futuro parecem fazer refletir também velhos líderes do regime, como Ricardo Alarcón, presidente da Assembléia Nacional do Poder Popular (o raquítico Legislativo cubano). “As reformas que o companheiro Deng Xiaoping fez na China são muito positivas para o povo chinês”, disse ele numa entrevista recente ao jornal argentino Clarín. Mas ressalvou: “Elas têm de ser entendidas no contexto da revolução chinesa. Nossas características são diferentes”.
Mais: 14 artigos sobre Cuba, em Le Monde Diplomatique

Arquivado em:"socialismo real", América do Sul, Cuba, Fidel Castro, , , ,

Páginas

Agenda

setembro 2017
S T Q Q S S D
« maio    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

RSS Internet

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS Conferência Nacional de Comunicação

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS Conferência Nacional de Cultura

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS Redes de Pontos

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS Pontos de Cultura

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS Pontos de Mídia Livre

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS Pontões

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.